sexta-feira, 30 de dezembro de 2011


Imaterial Girl


           

A natureza fez os dançarinos no seu círculo como fez o milho no seu círculo
                                                                                                              Antonin Artaud

I.

Magra consolação a de haver linguagem
se em tantos fundos ela não toca,
Há ainda a pele, por baixo a velocidade
o coração a bombear  a música, a ultrapassagem -
É ela a nossa única matéria
Repara como tudo o que é incompleto te chama
e se te juntares a isso tudo, isso tudo não deixa de estar incompleto,
descansa agora o  olhar neste novelo, só te posso dar o que não tenho
e é tanto o que não tenho,
Aquece a voz, deixa que tudo o que é bom se enrole em ti
A bretã tem um trevo no bolso,
Não aparece no desenho o que se tem nos bolsos
Quatro folhas como a Declaração Universal dos Direitos do Homem,
 Alguns deles são respeitados acima do Equador
onde Ronald Macdonald nos dá a comer o seu pão negro
também ele precisa tanto do chão como uma semente
Um pouco mais acima alguém fala da dignidade e diz: Não sei de que ângulo
os vi partir, levavam antenas de prata nas mãos, os olhos muito abertos
Os corpos pediam novas formas de beber:
A primeira loba dorme, o leite vai-se formando nos seus seios…


II.

Sobre a morte não sei mais do que uma borboleta
Também ela cai ao fim de sete dias
ou é apanhada num esguicho de urina de alguém que vai para Fátima
 pára na berma da estrada nacional – faz pontaria o assassino da natureza
A filha mais nova ri-se, o sol lambe-lhe a cara, molda-lhe o sorriso
a perfeição é perto disto, voltam ao carro:
levam na mala uma lancheira, na lancheira vai a merenda
nos assentos vai a família unida e quentinha e no meio delas a união
E dentro delas a crença e dentro delas também a felicidade e todos os mistérios
mais uma hora e o santuário e o suor e as velas reproduzindo a anatomia humana, pernas e braços-velas a derreterem - à noite a Casa dos Segredos
 O tempo que uma borboleta demora a cair parece-se com a tua pele
Também a queda tem cor, é um acordar,
Não ter chegado ainda é a razão de ser dos caminhos
A pele não é um limite, apenas um começo,
A nuvem humaniza
O céu-da-boca desloca-se para zonas mais austrais
A bretã caminha porque a pintora o quis, desenha-lhe
 um país, as suas gentes, os seus campos de trigo, as fábricas,
as igrejas, os sinos, a giz o fumo que sobe e se soma ao ar
Tudo é soma na natureza humana.


III.

Só as obsessões flutuam neste bar onde se bebem lágrimas de Orfeu
com muito limão, é a Espera o barman que enche o copo
Mas ele não tem fundo, lágrimas de Orfeu amargas
A saudade sabe a Gin, vejo por esta janela a Bretã
Há um nervo nela que treme: nas fontes onde corre a vida inteira
um fio de azeite desce pela montanha, contornando
as patas dos ouriços e dos javalis,
Antes de haver bicicletas e os caminhos que elas percorrem
Já havia ladrões de bicicletas que roubavam à linguagem
Novos caminhos
só se pode dar o que não se tem
e é muito o que não temos, passa a ser também nosso quando damos
No bico de um corvo as cinzas de um ditador morto
serão uma árvore, será depois papel,
Fechar um ciclo faz também parte do ciclo
Sobre a perenidade não sei mais do que uma borboleta
também ela asfixiada num esguicho de urina de alguém que
estaciona o carro na estrada nacional, vai para Fátima, fica aflito
leva na mala uma lancheira, à noite dá a casa dos segredos,
resta-me saber que também aqueço, é talvez esse o milagre
Vêm-se de todos os ângulos os fotões ágeis atravessar o corpo do mensageiro
é ele a mensagem toda:
preciso mais de chão do que uma semente,
debaixo da pele, líquido quente de um astro,
de todas as escalas – a humana, a mais perigosa, a Maior
Há ainda a inclinação natural dos girassóis a acompanhar o astro que foge,     
Numa auto-estrada para sul aproximamo-nos cada vez mais dos pólos
a sombra de um ditador enrola a paisagem em mortalha de goma antiga
Cair tem todas as cores, tudo é soma e Link perfeito

 Também o cimento é Deus.



Nuno Brito

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

António Pedro Ribeiro: Do Novo Mundo

DO NOVO MUNDO Eu procuro o homem. Procuro-o nos bares, nas ruas, nas bibliotecas. A minha vida é uma demanda. Encontrei o homem em alguns, em algumas. Mas devo prosseguir a demanda. O homem, a mulher, deveria sentar-se neste preciso momento à minha mesa. Sem meias-medidas, sem preconceitos, sem vidinhas. Falar-me-ia do homem interior, das viagens interiores, do pensamento. Também dos sonhos, das alucinações. Sim, eu tenho algo a dizer ao mundo. É preciso que o homem interior me escute e às vezes escuta. Eu tenho a dizer ao mundo que o mundo assim não serve, não tem saída. Eu tenho a dizer que outro mundo existe: um mundo de criação, luz, sabedoria. Um mundo que também está aqui. Que brilha, que pede a palavra. É preciso agarrá-lo, trazê-lo até nós, vivê-lo. Um mundo que está na infância, na juventude, na idade do ouro perdida. Este não é o único mundo. Tenho perseguido esse mundo ao longo da vida. Morrison, Miller, Nietzsche, Hesse, outros, mostraram-mo. É preciso atravessar para o outro lado. O reino está próximo. A verdadeira vida. Aqui num café de Vila Nova de Telha vivo a verdadeira vida. Agarro-a. Possuo-a. Como a mão, como os dedos, como a caneta correm livres. Como a intriga e a inveja estão distantes. Como sou o mago das minhas horas. Como é belo o momento. Como o celebro. Eis a verdadeira vida. Amo-a como à eternidade. Não há deuses e há os deuses todos. Como eles dançam. Como correm como loucos. Amo a vida. Amo o que o pensamento transmite à caneta. A escrita automática. Universos vivem em mim. Nas minhas letras. Estou possesso. Nunca houve tarde como esta. Sou o homem. Sou o homem que cria. Encontrei o reino perdido, o uno primordial. Venho do primeiro homem. Sou livre. Sou capaz de tudo. Pertenço à terra. Toda a filosofia brilha em mim. Vinhos mil. O ouro. Que é feito do rapaz tímido? Que é feito do menino das boas notas? Que fizeram dele a máquina e as horas? Onde está o rapaz tímido? Dá umas gargalhadas, dama pálida. Viu coisas, atravessou os mares. Está a voltar aos escritos dos 20 anos. Quilómetros de cérebro em busca do totem da tribo, em busca de ti. Quem és tu, hoje? Passeias-te entre reis, entre deuses, vês o nunca visto. Nada te liga ao que é pequeno. Ao escrever abres portas. Estás no mágico, no maravilhoso. O maravilhoso existe. Não é uma quimera. As portas estão abertas. Venham. Entrem. Vamos dar uma volta. Atravessar para o outro lado. Esqueçam tudo o que aprenderam. Esqueçam tudo o que foram. Esqueçam a máquina. Vamos até ao outro lado. Vamos ficar loucos. Esquece os relógios e os televisores. Dança. Dança, dama pálida. Deixa para trás todos os que te fizeram mal. Dança. Não mais sofrimento. Não mais angústia. Dança. Continua a dançar. Eles querem quebrar o encanto. Eles querem quebrar o encanto. Não deixes. Dança! Há um mundo novo a nascer. Não deixes que o matem. Um mundo novo. Dança, bebe em honra do novo mundo, dama pálida. Voltámos à idade do ouro, à infância feliz. Não há barreiras. Não há fronteiras. Estamos possessos pela música. Deixa-te ficar no outro lado. Deixa-te ficar. Vence os pequenos, os invejosos, os intriguistas. Como tudo é pequeno visto aqui de cima. Não os ouças mais. Sê livre. Sê louca. Dança. Estamos a construir o novo mundo. Nunca mais seremos os mesmos. António Pedro Ribeiro

domingo, 25 de dezembro de 2011

Leonor Silvestri

Download pode ser feito aqui

Fábio Fernandes


Sara F. Costa

Upload

a força da paisagem corrompe o texto,
penetra-o pela sua fragilidade.
o jogo do tacto, da fulguração, da tensão cénica
do teu nome -
que de tão tenso não é revelável -
mas posso sempre revelar-te esta fotografia,
não como antigamente, mas
posso sempre entranhá-la no teu subconsciente através do feed
do teu mural
numa dessas redes sociais onde não há espaço a debate porque
cada pessoa é o ditador da sua própria realidade, o que até
é bastante conveniente
se na vida pudéssemos ser confrontados exclusivamente com aquilo
que não nos choca.
deixa-me rejubilar com a força de ver-te e com a força de saber que me vês,
sou assim uma imagem, sou matéria carnal, sou costas e ombros
e pálpebras,
existo porque existe a luz.
deixa-me fazer o upload desta existência directamente na memória
mais profunda
da tua libido.
talvez seja mais simples. o texto é coisa de poetas.

Tracey Emin

sábado, 29 de outubro de 2011

Alexandre O’Neill

A Última árvore


“Recordo o senhor Leitão, amigo e defensor da Árvore, publicista que opuscularmente se produzia. O senhor Leitão postara-se ao lado da Árvore tal como alinhara com o Bem. Não há aqui pardal de troça. A candura do senhor Leitão, se a entendo agora, era aquele amor da natureza que o Romantismo exaltara, só que amor minorado e escuteiro, mais a procurar assinantes que a arrebanhar partidários. Todavia, não escasseava formosura, e até um certo arroubo, ao panegírico da Árvore que o plumitivo Leitão ia traçando, e eu estremecia de horror e de prazer ao dar-me conta, pela mão dele, que, além de frutos, além da sombra (amiga), além da madeira do berço, a Árvore me fornecia as tábuas para, na última viagem, eu aparelhar.
Quando o conheci pessoalmente (primeiro, aconselhara-me com ele por correspondência sobre a forma de organizar um herbário) tive a impressão de que aquele homem já havia sido árvore, e pensei que, tal como sucede entre o homem e o seu cão, Leitão incorporara à sua própria estrutura certos atributos arbóreos. Se assim era, devia existir algures, pela regra da interacção, uma árvore parecida com o homem Leitão. Afeiçoei-me tanto a essa ideia que, quando nos encontrávamos, lhe perguntava sempre:
- Então como vai, como está a sua Árvore?
Leitão sacudia os ramos e, a despassarar-se, ria.
Ora esta bondosa figura, que concentrava na Árvore o seu límpido amor pela natureza, meteu-se a caminho da morte, quando a soube certa e aprazada, de uma forma que, embora comum, nele podia dizer-se estranha.
Daniel Leitão desaparecera do seu «escritório» no Café Chiado. O tinteiro e a pena que o velho Pina lhe guardava, a mesa em que escrevia seus longos folhetins florestais (A Sombra das Boas Árvores) eram como desolados adereços à espera do protagonista.”

(Alexandre O´Neill, A Última Árvore: Uma Coisa em Forma de Assim, Editorial Presença, Lisboa, 1985).

Herberto Hélder

O peixe amarelo


Era uma vez um pintor que tinha um aquário com um peixe vermelho. Vivia o peixe tranquilamente acompanhado pela sua cor vermelha até que principiou a tornar‑se negro a partir de dentro, um nó preto atrás da cor encarnada. O nó desenvolvia‑se alastrando e tomando conta de todo o peixe. Por fora do aquário o pintor assistia surpreendido ao aparecimento do novo peixe.
O problema do artista era que, obrigado a interromper o quadro onde estava a chegar o vermelho do peixe, não sabia que fazer da cor preta que ele agora lhe ensinava. Os elementos do problema constituíam‑se na observação dos factos e punham‑se por esta ordem: peixe, vermelho, pintor – sendo o vermelho o nexo entre o peixe e o quadro através do pintor. O preto formava a insídia do real e abria um abismo na primitiva fidelidade do pintor.
Ao meditar sobre as razões da mudança exactamente quando assentava na sua fidelidade, o pintor supôs que o peixe, efectuando um número de mágica, mostrava que existia apenas uma lei abrangendo tanto o mundo das coisas como o da imaginação. Era a lei da metamorfose.
Compreendida esta espécie de fidelidade, o artista pintou um peixe amarelo.


Herberto Hélder, Os passos em volta, Assírio e Alvim

António Fragoso

Luís Quintais

XXVI

Entradas, saídas, fronteiras, lâminas sobrepostas
sobre o tecido denso da noite.

Um homem adormece, os céus deslocam-se
sobre o Atlântico, mais nocturnos que o sono

que lhe embaraça a reconhecida imagem
da sua mente comovida pela morte - «a minha morte»,

terá ele cantado por décadas -,
mais nocturnos que a casca das árvores

a lápis de cera negro pintada pelos impenitentes
desenhadores de árvores que são os filhos,

mais nocturnos que este líquido teatro
percorrendo as imagens, o irreversível tempo,

esse, onde, no interior veloz, se queimam as nossas vidas,
mais musicais que o preciso registo da vaga pauta

de onde a mente retira a palavra desde o início antigo.
Um pavão abre o azul da mente, espelha-a

e depois grita. Entradas e saídas, fronteiras,
lâminas de uma perfeição extrema e difícil expõe-se.

Um homem adormece. Os céus viajam.


Luís Quintais - Riscava a palavra dor no quadro negro. Lisboa, Cotovia, 2010.

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Beatriz Hierro Lopes

Ossos


Os ossos dos pássaros mortos como relíquias de santos: usá-los-ia a todos se com isso achasse encontrar boa sorte. E se me perguntassem que ossos seriam aqueles que levaria ao peito, diria que são dos santos mais poluentes desta terra onde já não moram só gaivotas.

Mas não lhes conheço milagres: notícias de pássaros que curem vagabundos de cegueira, diabetes ou simples bebedeira. O seu propósito, destituído e substituído pelo quedar do olhar sobre o alcatrão; toda a mortalidade ali, e ainda assim a cegueira sem cura, que por não serem bichos religiosos não sabem abençoar os olhos aos que passam; nem ouvir deus recitando horários e mandamentos às rotinas. Acho que todos devíamos levar salmos nos bolsos, coisas de fácil digestão nos intervalos entre os subterrâneos.

Só à face das pedras os pombos revelam o seu lado mais secreto, por lhes conhecerem a natureza perversa com que provocam acidentes aos que as atravessam no inverno.

Desconfio dos pássaros por só os encontrar mortos. Tão pobremente mortos que nem sepultura, só os veios estreitos entre as pedras de granito até que se somem debaixo das solas dos sapatos ou na terra que dá às pedras a ilusão da unidade. Nisso lembram-me pessoas.

Divido-as por ordem poética: se uma elegia é uma gaivota à sombra, imaginando ser um abutre em áfrica, um soneto é um canário enclausurado numa gaiola demasiadamente espaçosa para a fome do gato, e uma redondilha é um pardal de pata partida encontrando conforto nas mãos de uma criança que, sem querer, o asfixia enquanto corre para o ir mostrar à sua mãe.

Os pássaros, como a poesia e como as pessoas, só servem para mostrar que a morte habita cada rua. E eu usaria um colar de ossos de finas asas, onde se gravassem os poemas de que mais gosto, se achasse que isso serviria para mudar a minha sorte de velório.

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Fábio Fernandes

Fábio Fernandes

Maria José, Fernando Pessoa

A CARTA DA CORCUNDA PARA O SERRALHEIRO
Senhor António:
O senhor nunca há-de ver esta carta, nem eu a hei-de ver segunda vez porque estou tuberculosa, mas eu quero escrever-lhe ainda que o senhor o não saiba, porque se não escrevo abafo.
O senhor não sabe quem eu sou, isto é, sabe mas não sabe a valer. Tem-me visto à janela quando o senhor passa para a oficina e eu olho para si, porque o espero a chegar, e sei a hora que o senhor chega. Deve sempre ter pensado sem importância na corcunda do primeiro andar da casa amarela, mas eu não penso senão em si. Sei que o senhor tem uma amante, que é aquela rapariga loura alta e bonita; eu tenho inveja dela mas não tenho ciú­mes de si porque não tenho direito a ter nada, nem mesmo ciúmes. Eu gosto de si porque gosto de si, e tenho pena de não ser outra mulher, com outro corpo e outro feitio, e poder ir à rua e falar consigo ainda que o se­nhor não me desse razão de nada, mas eu estimava conhecê-lo de falar.
O senhor é tudo quanto me tem valido na minha doença e eu estou-lhe agradecida sem que o senhor o saiba. Eu nunca poderia ter ninguém que gostasse de mim como se gosta das pessoas que têm o corpo de que se pode gostar, mas eu tenho o direito de gostar sem que gostem de mim, e também tenho o direito de chorar, que não se negue a ninguém.
Eu gostava de morrer depois de lhe falar a primeira vez mas nunca terei coragem nem maneiras de lhe falar. Gostava que o senhor soubesse que eu gostava muito de si, mas tenho medo que se o senhor soubesse não se importasse nada, e eu tenho pena já de saber que isso é absolutamente certo antes de saber qualquer coisa, que eu mesmo [sic] não vou procurar saber.
Eu sou corcunda desde a nascença e sempre se riram de mim. Dizem que todas as corcundas são más, mas eu nunca quis mal a ninguém. Além disso sou doente, e nunca tive alma, por causa da doença, para ter grandes raivas. Tenho dezanove anos e nunca sei para que é que cheguei a ter tanta idade, e doente, e sem ninguém que tivesse pena de mim a não ser por eu ser corcunda, que é o menos, porque é a alma que me dói, e não o corpo, pois a corcunda não faz dor.
Eu até gostava de saber como é a sua vida com a sua amiga, porque como é uma vida que eu nunca posso ter — e agora menos que nem vida tenho — gostava de saber tudo.
Desculpe escrever-lhe tanto sem o conhecer, mas o senhor não vai ler isto, e mesmo que lesse nem sabia que era consigo e não ligava importân­cia em qualquer caso, mas gostaria que pensasse que é triste ser marreca e viver sempre só à janela, e ter mãe e irmãs que gostam da gente mas sem ninguém que goste de nós, porque tudo isso é natural e é a família, e o que faltava é que nem isso houvesse para uma boneca com ossos às avessas como eu sou, como eu já ouvi dizer.
Houve um dia que o senhor vinha para a oficina e um gato se pegou à pancada com um cão aqui defronte da janela, e todos estivemos a ver, e o senhor parou, ao pé do Manuel das Barbas, na esquina do barbeiro, e depois olhou para mim para a janela, e viu-me a rir e riu também para mim, e essa foi a única vez que o senhor esteve a sós comigo, por assim dizer, que isso nunca poderia eu esperar.
Tantas vezes, o senhor não imagina, andei à espera que houvesse outra coisa qualquer na rua quando o senhor passasse e eu pudesse outra vez ver o senhor a ver e talvez olhasse para mim e eu pudesse olhar para si e ver os seus olhos a direito para os meus.
Mas eu não consigo nada do que quero, nasci já assim, e até tenho que estar em cima de um estrado para poder estar à altura da janela. Passo todo o dia a ver ilustrações e revistas de modas que emprestam à minha mãe, e es­tou sempre a pensar noutra coisa, tanto que quando me perguntam como era aquela saia ou quem é que estava no retrato onde está a Rainha de Ingla­terra, eu às vezes me envergonha de não saber, porque estive a ver coisas que não podem ser e que eu não posso deixar que me entrem na cabeça e me dêem alegria para eu depois ainda por cima ter vontade de chorar.
Depois todos me desculpam, e acham que sou tonta, mas não me jul­gam parva, porque ninguém julga isso, e eu chego a não ter pena da des­culpa, porque assim não tenho que explicar por que é que estive distraída.
Ainda me lembro daquele dia que o senhor passou aqui ao Domingo com o fato azul claro. Não era azul claro, mas era uma sarja muito clara para o azul escuro que costuma ser. O senhor ia que parecia o próprio dia que es­tava lindo e eu nunca tive tanta inveja de toda a gente como nesse dia. Mas não tive inveja da sua amiga, a não ser que o senhor não fosse ter com ela mas com outra qualquer, porque eu não pensei senão em si, e foi por isso que invejei toda a gente, o que não percebo mas o certo é que é verdade.
Não é por ser corcunda que estou aqui sempre à janela, mas é que ainda por cima tenho uma espécie de reumatismo nas pernas e não me posso mexer, e assim estou como se fosse paralítica, o que é uma maçada para todos cá em casa e eu sinto ter que ser toda a gente a aturar-me e a ter que me aceitar que o senhor não imagina. Eu às vezes dá-me um desespero como se me pudesse atirar da janela abaixo, mas eu que figura teria a cair da janela? Até quem me visse cair ria e a janela é tão baixa que eu nem mor­reria, mas era ainda mais maçada para os outros, e estou a ver-me na rua como uma macaca, com as pernas à vela e a corcunda a sair pela blusa e toda a gente a querer ter pena mas a ter nojo ao mesmo tempo ou a rir se calhasse, porque a gente é como é não como tinha vontade de ser.
O senhor que anda de um lado para o outro não calcula qual é o peso de a gente não ser ninguém. Eu estou à janela todo o dia e vejo toda a gente passar de um lado para o outro e ter um modo de vida e gozar e falar a esta e àquela, e parece que sou um vaso com uma planta murcha que ficou aqui à janela por tirar de lá.
O senhor não pode imaginar, porque é bonito e tem saúde o que é a gente ter nascido e não ser gente, e ver nos jornais o que as pessoas fazem, e uns são ministros e andam de um lado para o outro a visitar todas as ter­ras, e outros estão na vida da sociedade e casam e têm baptizados e estão doentes e fazem-lhe operações os mesmos médicos, e outros partem para as suas casas aqui e ali, e outros roubam e outros queixam-se, e uns fazem grandes crimes e há artigos assinados por outros e retratos e anúncios com os nomes dos homens que vão comprar as modas ao estrangeiro, e tudo isto o senhor não imagina o que é para quem é um trapo como eu que fi­cou no parapeito da janela de limpar o sinal redondo dos vasos quando a pintura é fresca por causa da água.
Se o senhor soubesse isto tudo era capaz de de vez em quando me di­zer adeus da rua, e eu gostava de se lhe puder pedir isso, porque o senhor não imagina, eu talvez não vivesse mais, que pouco é o que tenho de viver, mas eu ia mais feliz lá para onde se vai se soubesse que o senhor me dava os bons dias por acaso.
A Margarida costureira diz que lhe falou uma vez, que lhe falou torto porque o senhor se meteu com ela na rua aqui ao lado, e essa vez é que eu senti inveja a valer, eu confesso porque não lhe quero mentir, senti inveja porque meter-se alguém connosco é a gente ser mulher, e eu não sou mu­lher nem homem, porque ninguém acha que eu sou nada a não ser uma es­pécie de gente que está para aqui a encher o vão da janela e a aborrecer tudo que me vê, valha-me Deus.
O António (é o mesmo nome que o seu, mas que diferença!), o Antó­nio da oficina de automóveis disse uma vez a meu pai que toda a gente deve produzir qualquer coisa, que sem isso não há direito a viver, que quem não trabalha não come e não há direito a haver quem não trabalhe. E eu pensei que faço eu no mundo, que não faço nada senão estar à janela com toda a gente a mexer-se de um lado para o outro, sem ser paralítica, e tendo maneira de encontrar as pessoas de quem gosta, e depois poderia produzir à vontade o que fosse preciso porque tinha gosto para isso.
Adeus senhor António, eu não tenho senão dias de vida e escrevo esta carta só para a guardar no peito como se fosse uma carta que o senhor me escrevesse em vez de eu a escrever a si. Eu desejo que o senhor tenha todas as felicidades que possa desejar e que nunca saiba de mim para não rir porque eu sei que não posso esperar mais.
Eu amo o senhor com toda a minha alma e toda a minha vida. Aí tem e estou toda a chorar.

MARIA JOSÉ
Prosa Íntima e de Autoconhecimento
Fernando Pessoa

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Ivan Strpka

Pegadas de pássaros


I.

Tudo está na margem. A árvore
Diverge de si própria por baixo do peso do anseio
Para gerar uma nova árvore,
Dentro da maçã uma nova maçã se gera,
As portas estão cheias de portas
e o dia faz nascer
outro dia sobre o caminho semi-cego.


II.


A minha cabeça no jardim está cheia de neve que irá cair
Pegadas de pássaro guiam-nos através dela, simples e indiscutível,
de margem a margem.
Por baixo da neve a concha azul rebenta.


Adeus, olhos azuis

As minhas orelhas estão cheias
do refluxo suave do mar.
ouço os cortes do fundo
dos corpos vazios
e do vidro indigo



O passado de uma pausa


E a casa era muitos-cantos
E desconhecida e branca
Transparentemente estrangeira
(sem pegadas)

Um caminho de terra para as coisas cegas
corre através da relva…



Tudo na concha


1/

Tudo na concha – Disse a criança. Pelos nossos objectivos deixamo-la tomar isso como um facto.
Nós vamos emergir do ovo. Nós vamos emergir da metáfora. A incessante disputa com a concha é a força motora dos nossos dias. Eu vi esse dia antes de mim. O ranger dos pés em prosa, compondo e descompondo numa sucessão do estremecer dos fragmentos.
Essa confusão da vida de areia rodopiante.

Eu vejo as tribos que não dormem dos guardiões da concha, espalhadas na areia que arde e nas bocas do desfile que assobia. Os seus cotovelos secos e afiados, as suas pálpebras afiadas, os seus olhos-brancos pequenos através do silêncio nervoso da miopia. As suas relações escondidas com os jogadores do jogo que prolifera, que abranda até ao infinito.
Na luta pela imaginação há uma luta pela concha. Luta com a concha. Luta na concha.


2/

A janela está iluminada. Fora do crepúsculo que diminuí a cara empurrada pela sede avança de forma incerta. Um perfil frágil desenha-se a si próprio sem claridade. A cara subconsciente de uma mulher, levemente arredondada. Como se tivesse surgido de si própria. A altura inominável, recorrente nos nossos horizontes de cada dia. Esse crescimento vizinho onde há um depósito de lixo, armazéns ou antenas de televisão. Ou simplesmente esse silêncio nu da pedra que vêm, o fim do mundo e a erva daninha.

3/

Tenho as minhas coisas empacotadas. Coisas. Só agora reparei em como fui absorvido pelo dia. As coisas estão ao meu lado, mas eu não serei capaz de descrevê-las exaustivamente. Mergulho de cabeça numa corrente brilhante. Vejo um tremer distinto aos pés da inominável altura. De repente ela atravessa-me como uma resposta desarticulada. O que realmente pode ser uma parte indissociável da original de uma pergunta auto-resposta.


4/ As Coisas estão empacotadas. Ainda tenho de atirar alguns grãos aos papagaios. Ciao. Vou deixar uma mensagem na porta. Aí ela vai brilhar através do buraco da fechadura. E dá a impressão que eu não emerjo de dentro, antes pelo contrário, eu queria entrar.
E actualmente é esse o caso. Tão perto da verdade, devia passar à frente, nas faixas de Fermi, Mallory, caracóis cortados e caravanas sem nome. Mas não vamos atirar areia aos nossos próprios olhos. Vou trabalhar. Sou um viajante, sou um cartógrafo, sou um caminhante de estrada. Sou um detentor. Eu sou.
O que eu vou relatar. Eu sou tu. E devíamo-nos conhecer.


5/ Tudo está na concha. Cruzamentos, estradas, auto-estradas, ladrilhos e pavimentos. Eles começam em todo o lado. É onde tu estás agora. E em todo o lado há um caminho que parte. Quando o estás a pisar, ou quando estás a fazer o caminho trilhado. E sempre ele leva-te a através de ti.

É bom parar à beira de uma árvore sem frutos. Dar uma volta pela relva fresca. Beber água de uma garrafa do deserto e observar sem som as caras dos companheiros da jornada.
Oxerpa por exemplo. Nos chamamo-lo assim por causa da sua forma de andar. Mesmo lá em baixo nas planícies argilosas ele caminha sempre com uma ligeira inclinação para a frente, como se estivesse a escalar uma montanha. Aqui na planície, ele revela-nos a cada passo uma parte de uma verdade íngreme. Ele conhece-a mas não está a pensar nela . Ele é taciturno. Sempre avança em frente.
Ao lado da árvore sem frutos eu calculo a posição geográfica. Nós estamos precisamente a 730 graus da expansão para sul da concha.

Ivan Strpka

Tradução de Nuno Brito - Literature Across Frontiers. Vila do Conde 2010

André Domingues

Em comunhão com ninguém


Um convento fica longe da necessidade do mundo,
mas o amor fica ainda muito para lá do convento.
É como se não houvesse estradas para amar, ou pés
suficientemente descalços sobre as incandescências
da ausência viva,
e a reclusão no amor fizesse ela própria votos
de pobreza extrema,
escrevesse um diário da ingratidão
com o desmazelo,
e chegasse a uma fórmula de desviver
honestamente em comunhão com ninguém.

sábado, 10 de setembro de 2011

Sonata Paliulyte

Variação de um tema A Raposa e o Príncipe


Quando eu cavar o meu covil
Serei uma raposa indomável
Pêlo eriçado
Orelhas acesas
Vou mostrar os meus dentes
Vou aguçar as minhas garras
Vou congelar em silêncio
E não vou ficar
Só os meus olhos fluorescentes
Vão acender a densa escuridão
Apenas o contínuo
Som do rosnar
e os dentes brilhantes
para assustar aqueles que passam e ninguém
nem o mais pequeno
nem o príncipe ou o mendigo
tentará cativar a minha amizade
e ninguém será suficientemente corajoso,
para me domar
e golpear
o meu pêlo frisado
(nem despenteá-lo)
Aqui eu vou morrer
com um sorriso de raposa
os meus pequenos truques
irão levar a fim as suas tarefas
um cão de caça vai segurar o corpo
e o caçador
vai sacudir o lixo
da sua pele
e escova e golpeia-o, na penugem
a sua cabeça confirma:
- Esta foi a mais bonita
e a mais não-raposa de todas as raposas
pobrezinha, desapareceu tão cedo.



Auto-de-fé



O céu calmo
arremessa pedras de granito
para dentro do silêncio mudo

Na palma da mão fria
Os cactos de vidro
começam a falar.

Por cima do lento redemoinho,
branco tão branco
flocos de neve em colisão.

Na abóbada do céu
caracóis de negro
as nuvens ganham forma

devagar, devagar,
na palma da mão húmida
eles apressam-se a morrer


e os anjos terrenos
experimentam o tamanho
dos seus robes negros.


Tradução de Nuno Brito

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Rosa Maria Martelo: A Porta de Duchamp


A Porta de Duchamp – Rosa Maria Martelo: Averno, Lisboa 2009



“Quando vivia em Paris, no pequeno apartamento da rua Larrey, nº 11, Duchamp fez instalar dentro de casa uma porta que não podia estar aberta nem fechada porque estava sempre aberta e fechada ao mesmo tempo” Assim começa “A Porta de Duchamp” de Rosa Maria Martelo, narrativa fragmentada de 17 partes, todas elas com um ponto em comum: as portas como ligação / o que abre / o que fecha - O que mesmo que esteja fechado está aberto. A reflexividade é marcadamente forte neste texto, injectado de uma emotividade sensorial muito acesa e de uma profunda e muito viva perspicácia. Logo no início, as citações iniciais revelam um pouco da narrativa:

“Ouvi bater à porta.
Não há porta. Porque haviam de bater à porta que não há?”
Mário Cesariny

“Há algum que tenha a chave da porta do ser, que não tem porta, e me possa abrir com razão a inteligência do mundo? “
Álvaro de Campos

Duchamp, Fernando Pessoa, Cesariny abriram muitas portas, Rosa Maria Martelo também com este livro, sobretudo muitas perspectivas. Trata-se de um livro múltiplo, coerente e vital, sobretudo de grandes revitalizações.
A reflexão sobre a passagem / o abrir caminhos, é muito atenta e inteligente “Uma porta que ele abria quando a fechava (fechada mesmo aberta como, alguém disse acontecer com os livros”: A frase incluí reflexão sobre o fenómeno literário que continua no texto seguinte: “Há quem fale de livros entrados na carne, como agulhas, de venenos incolores descompassando veias”
O elemento – entrada / saída é revisitado em outras partes do livro – Entrar com força, sair com força. A viagem prossegue com outras pequenas histórias interligadas por este factor, A fotografia está presente. A fotografia usada como registo frágil, suporte perene, pode ser uma das múltiplas aberturas / perspectivas e interpretações do texto “Lama”: “O que faz um fotógrafo de nuvens e de estrelas, neste dia de chuva, de temporal desfeito, quase deitado no chão, fotografias espalhadas no meio da lama”. Em “Infância”, há uma Imagem fortíssima de grande carga sensorial mantendo um registo único: “subtrair à passagem das ondas e do tempo pedacinhos de nada, menos que conchas (búzios partidos, por exemplo de que ficara o centro em espiral). Há uma revitalização da infância: portas que se abrem e fecham na memória e são invocadas (abertas / ou fechadas) nunca por completo: “nada pode ser verdadeiramente deste mundo”. Em “Filme” são invocado Gregory Peck, Ingrid Bergman e Hitchcock: “É então que Hitchcock abre porta atrás de porta, naquele movimento contínuo de certos filmes que aceleram a vida das plantas para as vermos nascer e abrir e abri mais, mas não morrer”. É de grande importância o uso da repetição e a pontuação em “folhas nascem e abrem) e abrem) e abrem)” O parêntesis é fechado, mas não aberto – A abertura está na frase. Outros recursos de grande vitalidade criativa são usados na criação de palavras por repetição e hífen, como “porta-porta”: As palavras abrem.

Muito mais poderia ter sido dito de um livro que é uma porta aberta e de um livro que é uma porta fechada (aberta e fechada ao mesmo tempo). É um livro que Abre muitas portas / perspectivas, onde se deve entrar e sair várias vezes.

Nuno Brito

Leonard Cohen

... Despe-te da memória e ouve o fogo à tua volta. Não te esqueças da memória, deixa-a estar num sítio precioso com todas as cores que precisar, mas num outro sítio, iça a tua memória no Navio do Estado como a vela de um pirata, e responde à chamada do presente. Sabes como fazê-lo? Sabes como ver a acrópole do mesmo ângulo que os índios que nunca tiveram nenhuma?...

Leonard Cohen, Belos Vencidos

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Maria Quintans

a noite morde-me o tímpano

mãe

e sempre a tua mão me liga ao rosto

mãe

a tua pele é o meu cheiro

mãe

a porta é um jardim sem fim

mãe

e os dedos a constelação dos teus olhos


mãe
minha

Literatura e Começo

Escrever é inscrever no interior de um círculo o exterior de todos os círculos
Maurice Blanchot



A literatura está em todo o gesto humano, em toda a representação ela se manifesta, manifesta como aparição: Lemo-nos uns aos outros, cheios de sede, com os lábios trémulos, enquanto humanos. Segundo Heidegger qualquer manifestação é sempre um não mostrar-se. A literatura manifesta-se nessa elipse de tudo o que está escondido na condição humana, um olhar, um gesto, uma união. Independentemente do suporte, ela apresenta-se, revitaliza-se e renasce; apresenta-se ao homem vindo do próprio homem e ultrapassa-o, faz o homem superar-se a si mesmo, incorporando toda uma literatura anterior. Nada se esgota ou anula, pensar que tudo está feito é tender para a morte. A civilização sustem-se na literatura, ela pode ser oral, gestual, assente em qualquer suporte por mais volátil e perene que seja. Pelo fim do símbolo, ela pode ser só representação sem representação: campo/contra-campo: pode estar no olhar, num atirar um pau para a água, no regar os girassóis, em cada acto ela se revela, se mostra, se recria, se cruza com outras realidades para tecer novas ficções. Satoshi Kon alerta-nos para o facto da realidade prover da ficção: no seu novelo contínuo, a realidade tece-se de ficções, as sombras provam-nos que há sol.
A literatura exige o cruzamento constante de tempos e espaços diferentes. Tempo e espaço podem não chegar a caber na literatura, ela ultrapassa-os. Quando pensamos que um género literário se esgota, uma matiz de pensamento se esgota, logo ela se revitaliza, incorporando elementos do passado e do futuro. A frase de Blanchot por muito paradoxal que pareça e sendo uma afirmação circular mostra as inúmeras portas que se abrem diante do fenómeno literário: “inscrever no interior de um círculo o exterior de todos os círculos” é tornar o impossível possível (há limites, o círculo: a linguagem, o pensamento humano, a cultura em geral), mas escrever poda esses limites, anula-os quase por completo, pelas portas que abre, e são muitas: anulam-se os condicionantes, as barreiras do pensamento humano. O salto é difícil mas é sublime e está presente apenas na vontade de renovar, de incorporar o erro, de acrescentar, e veja-se erro no sentido mais positivo da palavra: só ele faz avançar – Este é um dos pontos principais para captar e perceber a hiper-realidade que se nos apresenta diante de nós, como uma estrela de várias pontas, uma porta sempre aberta. Já Emily Dickinson se dizia, falando sobre a poesia "Habito a possibilidade, uma casa mais ampla do que a prosa". Pode-se dizer em versos, o que os não versos não podem dizer. Referindo-se à literatura em geral, Ernest Bloch falava dela como "Uma festa e um laboratório do possível". Ultrapassa a linguagem, transgride-a, o pensamento humano anula as suas barreiras. Jean Paul Sartre refere que o poeta está fora da linguagem. Luis Miguel Nava acrescenta que todo e qualquer poema é uma cosmificação, um lidar com o cosmos todo, no acto de escrever: entenda-se aqui universo interno e externo, ambos se tocam no processo de escrita. Se é verdade que qualquer texto literário está dependente do tempo e espaço, também é verdade que um texto dá sempre um salto e ultrapassa ambos. Nessa intemporalidade da escrita que é ao mesmo tempo uma universalização toda a história se adianta, se articula com passado e com futuro. “Escrevo tal como nado, porque o meu corpo assim o exige", dizia Camus no seu diário. Não é somente a consciência, outra forma de dizer alma humana, que pede o acto de escrever, é todo o corpo que pede, físico, palpável, a precisar de calor, é todo ele que necessita, e necessitar é sempre uma forma de desequilíbrio que procura o equilíbrio. Na escrita encontra-se esse equilíbrio que o corpo pede. Acrescentam-se pontas à estrela hiper-real, ela engrossa a vida, a literatura, pulsa no sangue, adianta-se. Todo e qualquer texto é sempre um começo e um fim ao mesmo tempo. O processo de escrita de um homem é o processo de escrita de toda a humanidade, de todas as suas vivências.
A literatura é sempre um colocar em abismo, uma luta perene contra a própria perenidade, um doce sopro que inflama de vida e sustem a civilização. O seu tempo e espaço é múltiplo, toca todas as matizes da condição humana, permite a sua compreensão pela fuga. Todo o acto de Criação, injecta de vida nova a linguagem. Como refere Leonardo Da Vinci: "A arte nunca está acabada, apenas abandonada": E é nesse abandono duns, que outros continuarão, em novelo eterno, aumentado o desequilibro, tornando o equilíbrio possível; nesse sentido a literatura será sempre um desequilíbrio. Como nos diz Pessoa: “A civilização é a tendência para a morte pelo desequilíbrio” – A literatura é esse desequilíbrio, mas ao mesmo tempo a salvação, o motor da união.


Nuno Brito

Minha Carne é de Carnaval - Marta Emília

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Maria Sousa

para os lugares que me faltam no interior do sono
tenho metáforas
ao falar do sabor que o vento deixa nos lábios
quando a voz tropeça nas sílabas
eu serei sempre a que abre as palavras na garganta


Maria Sousa, in:"A Sul de Nenhum Norte" número 3.
A revista pode ser descarregada aqui

Diogo Vaz Pinto




Nervo

Mario Santiago Papasquiero



COITO PAUTADO

Caldeira de diabos elétricos / minha pele à caça de teus fornos
Entra a noite em minhas pulsações
a febre levanta pirâmides de agulhas capazes de aflorar montanhas em minha ressaca
Teu corpo é meu solaço : meu sótão negro / minha Rosa Mayor & meu pandeiro
o canil de céu & cadências que me tornam 1 bruto parvo açoitador de camas
& leito de Grijalvas sexo na selva
& nave florida & rinoceronte com arpão de prata
Na rua ou em quartinhos
Enterrado na areia ou em teus beijos
Astros de esperma : martelos vivos cuspo empurro lanço ao rosto
à rua ou lábio minguante em que gemes
Nem 1 dedo perderei / nem 1 mão de meus naipes

Teu sereno : teus terremotos são minha hóstia / são minha droga
o peixe de sangue que se derrama com sua dança em meus oceanos
Desde estas alvuras já não sei
se ferrei tua sela ou teus cascos
A cama / que herdaste de tuas tias ainda me tenta
A Maga de Oliveira & de Cortázar encontro embaixo do grifo gotejante de teus uivos brancos
Caldeira enfornada na lira de sátiros suados
Paisagem que em seu olho / elege os pincéis & o material em que há de banhar-se o Action Painting
Caldeira de diabos elétricos
tua pele contra minha pele faz milagres



O MILAGRE EXIGE

Que via imaginarei
para seguir flutuando
& atravessar a selva sempre crescente do grosseiro rio
El milagro exige
De meus ossos flor
& de minha mente frutos
Neste crepúsculo preciso
em que a nuca do sol
vai de focinho
O ouro sepulta à cinza
a praga ao mar
a magia a toda pressa





ROSTO QUEIMADO


Para Akira Kurosawa

Introduzi minha vida
na vulva radiante da estupefação
/ minha droga é respirar este ar quente /
Traduzir à lua na minha pele
: irmanar minhas feridas com sua seiva crescente :
À margem do fulgor do trem
Meu sonho é 1 trajeto coital derramado
/ Minha escritura: minha cama /
Minha mulher: a Paixão
Entre espinhos & flamas
Me desperta o milagre
de beber meu arrebol
pois do trevo se trata

Da veia maciça do ornitorrinco cantor
Do espelho pintado de sangue
Da dança arquejante
De viver no instante
/ O chaquira do morto é revendido pelo adeus /
A vila mais miserável é entrada do sol
Porque trago arco-íris
Porque cago relâmpagos
Quiçá voem meus olhos
Enlaçados no vento
A este cristal revivido / que rompe seu cárcere
: Aura gotejando calor :





FLASHES DE VIDA LASER

Me esvazio totalmente
No basculante das palavras
Beijo o véu da destruição
Arco-íris negro das têmporas
Estou & não estou
Ejaculando / como sempre / luz
O pó é também
Espírito & folhagem de meu corpo
A agulha fosca do viver
Rompe a cratera pueril de minhas ânsias
Supões apenas
Desenhas o ardor de tua silhueta
À hora suprema do fervor
Sublinhando a ponte em ponta de teu transe
A hipnose-caldo fervente
Que antecede o harakiri

São Suicida do Curral
Enteado que trafega dinamite
A explosão é tua mulher
Possui-a estalando
O revólver do sentir
É tua própria costela
Recife de arrabaldes
Arremétrica suada
Como nuvem de relâmpagos dementes
Incendiando a sujeira
Aninhada em teus sonhos de cristal




HOUDINI’S SONG


I

Vivo meu desaparecimento
À hora dos relógios brandos
Golpeado pelas contrações-sopro de larvas desta espécie-fim de festa
Aprisionado inclusive no pote de grilhões dos eus

II

O bosque de vidro corre até o rio
Multidões de videntes bebem merlo
Montanhas vermelhas carregam ao dia
Em pleno você / absorto em nos
vou-me / cavando
não ao inverso
não fazendo muuus

III

O já amado ainda unge luz
As pombas não merendam com o Cristo do perdão
Que mais dizer / fendida a vela
Fulge minha fuga
espelho : o céu
Me desatou
Rompo fronteiras
Não sou aposta
Odeio meu juiz



ENQUANTO BEBO DESTE MEU ODRE DE IMPULSOS OURIVES


Madrugada empinada / de pombas & pedras
os sufocos da lua entre surras alcoólicas
Cristalino aceso
lascívia de jumento
tua silhueta de incêndio selou minha vida
Sou carvão em tua saia
cachorro curtido no teu matadouro
Cai o silêncio
os vaga-lumes dançam
1 espelho de sangue me crava as veias
o porrete do sol ronca
o precipício do sonho cospe ondas de ecos
exagerando sua febre mortal
Madrugada : que ventos
nem você nem eu nascemos verossímeis
Somos vagabundos/ basculantes / aguaceiros lavrados

Olha agora : te beijo
Amanhã fujo
Que pisemos 1 cravo & 1 relâmpago uníssono
me ilumina / me banha
ilumina meu canto

A criação é /
& tanto / 1 estrangeirismo

o rumor que a Catástrofe
arrasta em seu saco de dormir
Nos tobogãs do lago
na fuga –sem alento–
da erva
trepando na fervente estrada
boca a boca
céu a céu
lado a lado
A Criação
que mãos não se auxilia
que luxúrias tortas
que anjos
com os arames retorcidos

Em Miguel Anjo & em Leonardo repousa
enquanto regressa a seus olhos a navalha
o pólen que diremos / de escalpelo
o basculante que a tudo trastorna
o ronco do sonho
a sodomia que não deixa de estar recém-nascida
Tudo o que a cratera mande
A criação –lavrada em neve–
em plumas de cisne / embaixo de barcas
& chicotes de vinho que voam



PRISIONEIRO DO SONHO

Para Óscar Málaga

Acendo a cratera do meu destino (aurora ardente)
minha mente se detém em 1 piso que borbulha
a voz do labirinto se desboca
/ de lâmina a lâmina /
sem conseguir beijar o nó de cristal que me aprisiona
Hoje é 1 pedra que não canta & 1onda que resvala
Se desbaratam os truques de meu alforje
minha sanguínea segurança de kamikaze digno
O amor me conduziu à carniça
A chuva está quebrando pedras no meu basculante
Entre minha unha & minha carne me evaporo
Aurora ardente sem ventura





CANETA DE ABUTRE INTENSIDADE

Esta flor interna chamada bebedouro
homúnculo arenoso
manto ébrio que insemina seus pelos de firmeza
no terreno baldio em que se morde o esqueleto
Veja sua língua de sirene
banhando a cintura resplandecente que torce o labirinto
Não é 1 talho de cristal o bico corvo de seu vento
Não há relógios sintonizados em seu latido-cool / florescimento de enxames /
As filhas desta filha já não se chamam filhas
giram suas fibras assadas na febre
Fora de sua casa a encontra vestida
brincando de injetar insumos a seu botão
Fogueira de 1 suor excepcional / que reúne em torno de si os absurdos mais insensatos

Albert Dhürer a intuiu sem prová-la
Os tempos áureos a fizeram perdida
Nos graneleiros da angústia brilhavam os pedaços de sua ferida
mas não todas suas canetas / que são de 1 prenhez violenta & contagiosa
semelhantes ao delírio de 1 águia obsessiva por descobrir seus ninhos pelo chiado
murmúrio de 1 ar pilotado pelas chamas do capricho
pétala que pia apenas contorna seus botões a cinza
: esta fogueira-mulher enforcada na densa mistura de apertadas chamas :



MARIO SANTIAGO PAPASQUIARO

Tradução de Beatriz Bajo, In Revista Osíris - Revista electrónica de literatura e arte. Ano I, edição I.

domingo, 4 de setembro de 2011

Maria Képhri

Só o supremo tende a decrescer,
o hábito comum pertence à sobrevivência
os hábitos da metafísica são hábitos de comer à mesa,
e há um que pondera de maneira menor a este poder,
o que não quer dizer que decresça
mas sim que se torna desconsiderado.
O hábito de comer à mesa sempre foi um acto da metafísica,
mas haja pensamento inteligente, ele pertence aos jovens.
Num imaginário supremo também se diz paralela a inteligência
e então que a inteligência também se torna metafísica,
de acordo com o ser universal.
E há um que pondera viver como o ser comum...
Somos todos jovens floridos, vamos cantar as janeiras,
o hábito que nos veste também ignora o supremo e o poder,
somos jovens de modos, de modas, maneiras
uma maneira de entender a metafísica...
Uma maneira de entender: é que tudo pertence ao todo,
uma maneira de entender é que a morte é resolúvel
e que então a morte é um hábito também
uma pequena bibliografia sobre dizer-se da morte uma jarra flores em cima da mesa
uma pequena bibliografia sobre uma evidência
E então estudamos: acto comum, os hábitos filosóficos
aquilo que a metafísica ensinar na educação
e aquilo que vamos perceber do objecto que nos diz respeito.
Vamos perceber de qualquer modo, floridos no dia dos namorados,
de máximas filosóficas, e sem a nossa memória.
Ele pondera se o dia será muito curto e tem que retocar um objecto decorativo,
retocar a metafísica: o almoço, o jantar,
retocar qualquer hábito que pertença à sua mesa.
Só o supremo tende a decrescer, mas só a metafísica consegue ser menor.
E o supremo decresce? Houve um que tocou num balão,
ele quase caía a decrescer. A noção de todo o espaço não é do supremo,
que dizem deste meu à vontade? Olhamos e temos olhos para
retocar o espaço em volta. Tocamos e temos a nossa própria evidência.
É esta a nossa metafísica.
E o que é esta impossibilidade de saber?
O ser eterno às vezes pergunta coisas estúpidas.
O ser eterno pergunta se os mares inundam as casas dos possíveis mortos.
E qual é esta certeza, esta impossibilidade de saber?
Esta certeza de perguntar?

No ramo das perguntas a lógica diz que vai de A para B, de A para C, e de B para C.
A impossibilidade de saber é categórica. Não existe impossibilidade de saber.
A impossibilidade de saber é categórica. Não existe impossibilidade de saber.
E o que pondera, e o que é jovem, e o que levita
toda esta linha de vida na história distribuída.
os homens que são pobres fizeram-se Deus nas boîtes
restou um fumo primaveril que lhes tornitruava a catequese da miséria
esses homens vivem o inexplorável e ainda pecam
nos becos sem saída e nas mãos húmidas de tigreza
procuro um fio condutor de toda a minha pobreza
encontro dimensões de conhecimento muito apoupadas nos pequenos
povoamentos dos territórios hinos
são pequenas aldeias com a dimensão provocatória do seu modo de saber
semelhante à sua mediana
são pequenos dados sem razão aparente para este condenamento
se quis dinheiro não o tive, fazê-lo com sentimento
arriscar a sensação celeste de ultrapassar todo o desvio social
para cair de cabeça no reino de Jerusalém,
é quase perder a vista
as moedas que tenho guardo-as para nicotina, não como pão do dia
nem tenho almoços grátis
perder-se-ia a vista no seio de metalizados com a correria
da dependência duma África
os homens que são pobres fazem-se Deus pelos caminhos
os caminhos desabrigam-se, formam corações sepultados
e pedras de areia morta. Não sou pobre
sou um coração de areia morta a rezar pelos peixes sem olhar.
Se fosse pobre não teria sabido que
a areia me sobe à boca como se já estivesse na foz
e que morro todo o sentimento quase a perder de vista.
os homens que são pobres fizeram-se deuses a perder de vista
apararam a areia dos caminhos e contiveram
uma tensão de conhecimento sem préstimos, que ia
caindo de cabeça quase quase sem préstimo nenhum
e a cabeça atirou-se
a cabeça por fim bateu nas paredes de areia morta
e morreu também como a areia farta de dimensões de conhecimento
que não lhe serviu de nada.
as mãos estão frias e deixaram de ser
acabei de me enformar
sou uma espécie última do descalabro
não me deito mais pra baixo porque não posso
acabou a minha depilação de energia no último átomo
o ego está meio caído
assim ao centro é como se fosse uma convergência de
carros em movimento perpétuo e arrombamentos
os diabos terrenos são terríveis terríficos
as crianças ainda brincam por desporto às palavras últimas
enquanto os jovens pedem sentidos de senso comum
estou deitada. em equilíbrio
o planeta dos seres-máquina é mais pacifista que o meu
mesmo a casa, o quarto
é mais pacificista o quarto que a sala e a sala está coesa em terrificismo
deito-me. em equilíbrio
a deita é fundamental para a veracidade da espécie contígua
o adormecimento, a mentira, a piedade.
deixei de ter mãos, não as sinto
são mãos de leis e de objectivas mentais que fotografam
a vida pessoal num pano quente
escolho cada dia um tema primordial
o ego é uma hierarquia, a democracia pede muito
que os senhores se fotografem nus no passeio familiar
tenho a vida pessoal metida num pano encharcado quente
vou ali às compras do poema quase vejo o Tom Waits homenageado
por cumplicidade de ataque iraquiano
o poema manifesta a asma que nós temos no ponto da não-sei-quê da fusão
que é uma fusão qualquer sobrenatural
estar vazio é assim - estar cheio de fusão
o poema quer sempre manifestar esse pequeno ponto que nos põe nus
(quer-me dizer que tanta fusão gera um sentido proibido?)
os poemas têm dessa e da do cérebro. O cérebro acaba
sempre por explodir para o centrifugamento do poema
(temos ciência a mais, não me diga?)
não consigo deixar de pensar que as mãos estão frias
ponho-me a falar do deserto
deixei as mãos num altar perto do pico do evereste ou isso
esqueci-me lá da tragédia do pico
o alpinista contou a odisseia e rememorei que o seu pai
era amigo dum amigo duma criancice com os nenucos
os nenucos tiveram uma tragédia na Odisseia de Homero

que era similar à ideia universal dos miúdos
conta-se que a Odisseia era um livro da historicidade da vida da grécia antiga
os miúdos já compõem histórias dessas e depois deitam-se
os diabos terrenos engomam para fora
ponho a falar-se o deserto em ruínas
a poesia é algo sobrenatural que se conta assim aos outros
mas só em sítios escondidos
não me admira que apareça alguém duma caverna e reinvente todo o seu sentido
iriam muito bem reclamar essa pouca vergonha de sentido proibido
não me canso de pensar no ego
se arranjar um sentido causa-efeito ninguém compreenderá
se a minha ciência ficar complexificada rebento o cérebro para gigantismo
de pré-eternidade do poema. como seria sofrer dessa
doença? uma complexidade que se alongaria a sentidos supra desenvolvidos
todos em comunhão com o furo no cérebro pequeno
que é o de um ser comum
os carros já convergiriam com mais velocidade para arrombar
de vez com o ego no poema – e que ciência última?
se fosse ali comprar um poema vendia imediamente por lisonja de inaptidão
não se vendem ou se compram poemas, é-se imediamente um inepto
ninguém compreenderia o meu sentido causa-efeito
os temas complexos são com falta de desenvolvimento
não sei como é que o poeta tem medida para tanto e ainda
vive acorrentado ao conhecimento dos aspiradores
ou melhor dizendo, a poesia não lhe veste a capa,
não basta construir um muro já se tem outro, o tema
não basta para desmembrar a pele da memória
e a vida não consiste em que a casa nos caia em cima. sou deste
pedaço de terra que come todos os dias
ontem estive perante uma explosão, há muito tempo
há muito tempo
que a minha vida é uma explosão
não sou telepata com os que rodeiam, não tive
possibilidade
que assistissem a esta autêntica explosão de conhecimento
que se tem vindo a dar. O poema acabaria assim –
um pedaço de terra, de todos os dias, tão necessariamente
quanto o mais que falta
o açúcar dos pulsos eclipsou-se
o tão bem visto néctar
de uma natureza furtável, visivelmente
«a criança em chamas»!
eu não
ao ver a criança as polpas dos dedos carcomem-se-me
o luto não me fica bem mas também
não
a diáspora, a fragilidade cristalidade
do indómito pavor
ao grito lancinantes dos templos sob a insurgência
dos vultos
das mãos aluviando um risco em vão
qualquer coisa que se toque para enfim
temermos a morada
a origem do relógio das alucinações
em torno de alguma ressonância dialéctica
um pretexto de
estar enfim dentro de algo que se afoga
em contracções épicas
máscara fronte negro
um bosque um ponto onde não
podemos desvendar
o pequeno enigma
às vezes de um céu
de uma eternidade
do piano surdo sob a luz dos movimentos

é impossível toldar um bosque
como uma cara sedada absurda na milesiminidade
do habitat
no fundo somos aquele cocker junto à palmeira
o rochedo-instante
a lorpa-vácuo
a consagração do ar em múltiplo com a ilusão
da instância
o ponto-pó
o odor-memória aquela sentença
querida-romântica que não passa disso: e do progresso
e de não sairmos do mesmo ponto que é o universo
ou o que quer que seja desde que haja
uma vontade irreal
e somos todos imensos
alguém diria
o problema é que depois as contas de nós para nós:
isto fará sentido?
alguma coisa inútil que enfim me rejuvenesça me domine me revolva me
ALICIE?
alguma casa à espera de outra casa
algum mar parado no irrespiro
de uma advertência ilha alba consonância
poupados ao egoísmo
poupados ao consumismo
poupados ao radicalismo
poupados ao grito silêncio «Indeterminado»
e a música, que surge atenta nos poros
é, será apenas
uma nuvem que vagueia, uma marca de pulso um horror
a rostos esses sós
uma longa vida seria um pássaro
as portadas abertas para partilhar as árvores
ao amigo que voava no avião de madeira
esse amigo viria tingir de verde a toalha do lugar
arrefeceria o crânio e deitava-se ao comprido
o pássaro voava também nas suas asas
e o amigo agarrava-o com força para que morresse
(não é uma situação de morte? um pássaro)
uma longa vida seria um pássaro apenas teu ou meu
onde depuséssemos o peito desse pássaro sob a liberdade das asas
e o pássaro vivia em pleno voo na nossa miragem
apenas nossa essa miragem
e quando tivéssemos a certeza do pássaro?
teríamos a certeza que o espaço-tempo nos pertenceria
e toda a vida para trás, e todo espaço estudado, e todos os livros lidos
assim que chegasse esse pássaro
(se é um pássaro que te faz confusão vai a correr atrás do pássaro!
se é um pássaro que está presente confia, olha
estremece com o pássaro, faz tudo o que quiseres do pássaro...)
o pássaro pendia dum alto esguio ramo de árvore
e, seráfico, arrastava a luminosidade dos raios solares consigo
nessa longa vida o pássaro continha o milagre de existir
coexistir apenas contigo ou comigo, e coexistia cheio de luz
por todos os lados.
se eu, num quadro, quisesse retratar o que isto significa
pousava o pássaro novamente sob as asas e fixava o pássaro a essa coexistência.
o amigo viria no seu avião de madeira visitar-me lentamente
(e o pássaro? dizia, viste o teu pássaro naquilo
que me queres fazer esquecer?)
o amigo iria povoar tudo de pássaros de todas as espécies
e iria encontrar toda a ciência das aves,
mais tarde dir-se-ia do amigo
o que uma longa vida poderia contar desta nossa coexistência
e aquilo que estudámos, como nos divertimos, e como
esse pássaro era uma milagrosa miragem apenas nossa.
e esse pássaro naquele momento de leveza e incidência
e esse pássaro que ficou pendendo num fino ramo
era um pássaro que significava apenas a liberdade de um instante
e, que nesse instante, eu e o amigo fomos felizes.

depois seguem as pessoas
depois é que a senhora se esvai
em algodão e aquecida para
formar buracos nestas ruas
depois segue o seu sonho
e fixo onde segue mais gente quer vendê-la
o sonho é um teclado opaco
é um objecto que nos falta
e que dizemos por escrito
o sonho tira objectos dos sítios
não há mais sonho por agora
não há proprietários nem quem sonhe
sonho como uma senhora
vou à procura de cada cova
para na cuja me sobrar o espaço de tempo onde o pensamento pára
e vou também vendida
os objectos que lhes faltam
falta-lhes até o sonho
e na escrita falta o sonho
e nas ruas são vendidas
depois segue mais gente
e segue toda a escrita também
na escrita este sonho acaba
neste poema acaba a minha recordação
se quisesse criar algo novo por onde teria o sonho, as ruas?
está tudo para venda, nem conseguimos o resto da riqueza
e então onde ficava o sonho?
nightmare housecleaner
turnos
e então onde ficava a escrita?
ficaria a escrita num momento
e esse imprescindível
os poetas não sabem criar intemporalidade, os poetas já não têm sonhos
os poetas vendem-se nas ruas
e a verdade tem um fim em toda a escrita
acabem com a verdade! ou então: acabem com a autoria!
não faz sentido o sonho e os objectos
não faz sentido nenhum a inovação
depois seguem e seguem
sem entendimento algum
e não têm qualquer sonho ou moral
para os próximos mestres
a senhora anda aquecida
dou-lhe algodão para que se vista
têm teoremas de objectos
têm teoremas de poemas
os poetas compram-nas e vendem
a escrita é uma saudade continuada
agora quero a minha recordação
quero um momento do futuro
uma preservação daquilo que é sagrado
e juntar-me às ruas todas
vindo dos cânticos do futuro
os sonhos inquebrantam-se, enquanto
vou sonhando em silêncio, com marcas de água
diz-se do paraíso que é um sítio de mordaças
onde só o silêncio atingiu o emprego
antes de lá chegarmos pensamos em jarras de flores
céu nublado, uma nuvem,
e só depois chegamos ao precipício precipício
da nuvem, da flor.
às vezes uma criança traveste-se de nuvem
às vezes temos a sensação de estarmos perto
do precipí
do precipício, a criança nuvem é o nosso sonho
não nos lembramos mais de morrer depois do paraíso.
tenho um sonho ou outro, mas um sonho no meio
da terra, não me recordo do suicídio.
águas e sal à espera de cair
vão caíndo gotas e sal
das águas e sal que não constituímos
das marés baixas sem rodarmos o mundo.
penso como um poeta tem tudo:
nasce, vive, pertence ao paraíso
se é que tem, de que poesia serão feitos
os substantivos, os adjectivos sem consagrarem
um enorme espaço, um objecto distante? uma palpabilidade
cujo o poema não consegue acarretar, para defini-la
com estrofes e versos que saem da riqueza da vida.


será que o poeta pode ter tudo? escreve prolongando
nasce, vive, pertence ao paraíso
se é que tem, de que poesia serão feitos
os substantivos, os adjectivos sem consagrarem
um enorme espaço, um objecto distante? uma palpabilidade
cujo o poema não consegue acarretar, para defini-la
com estrofes e versos que saem da riqueza da vida.
será que o poeta pode ter tudo? escreve prolongando
uma nota à vida, não encontra como Dante
o paraíso nos versos, escreve ao lado da máquina fotográfica.
sonhei conseguir pertencer a um mundo diferente
um mundo onde o meu eu se transformasse em algo inédito
que era eu não sendo eu, o sonho cultivado até à milésima parte da terra.
seriam muitos sonhos, contar-se-iam um a um
pelo glóbulos de luz entre as paredes, escavar-se-ia
uma terra funda até encontrar-se um novo eu,
e depois chegava o paraíso. o paraíso seria a vida descontruída,
descontruir, ponto a ponto, o já construído
depois de nada termos construído, ainda assim.
as tuas pernas deflagram o percurso, não consegues
chegar até ao precipício, se a terra afundar até
chegares até ti, refaz-se o sonho perdido
pelo glóbulos de luz entre as paredes, escavar-se-ia
uma terra funda até encontrar-se um novo eu,
e depois chegava o paraíso. o paraíso seria a vida descontruída,
descontruir, ponto a ponto, o já construído
depois de nada termos construído, ainda assim.
as tuas pernas deflagram o percurso, não consegues
chegar até ao precipício, se a terra afundar até
chegares até ti, refaz-se o sonho perdido
para além do paraíso.
imagino morrer no próprio paraíso
sem ter nunca magoado alguém. toda a gente
vive de pesos, só o sonho puro.
como será
morrer num paraíso paraíso?
nuvem, flor, e morrer-se da maravilha.


Maria Képhri: in "Cràse" número 0. 2009.

Gonçalo Castelo Branco

«o insustentável peso das maçãs

desperto sem outros olhos que não a pele. sinto as memórias por
um caroço que trago fundo em mim. o futuro tem a cor da minha
imaginação e toda ela está consagrada a uma espera de décadas
para afirmar a leveza do sabor. saboreio dando tempo ao tempo
para ter o tempo por dentro, a assistir e participar do insustentável
peso das maçãs. se te digo cor é para consagrares as aparências
com as essências e encontrares cada uma em cada mão. agora
abre os olhos: o que farias hoje se hoje fosse tudo o que tivesses
sem haver um amanhã? já sei. vou comer uma maçã e lembrar-
-me de um amigo que em tempos tive e que infimamente conheci.
faço o que ele faria, também, com prazer e calma de quem não diz
adeus mas até depois. nada me fará esquecer de sentir o apito do
barco, o cheiro do pão pela manhã, a frase dita com carinho aberta
a uma morte feliz. a maçã caiu. novas árvores virão.»

Gonçalo Castelo Branco: in "Cràse" número 0. 2009.

sábado, 3 de setembro de 2011

Tatiana Pequeno

leçon pour le mercredi saint

sabia muito sobre a mancha imensa
de uma pele que se borda
a pincel de lâminas:
é sobre ser visível demais.
Fala de cinzelar o leite
ou morar dentro da circunferência de uma corda
pendida da memória de júpiter
num fosso para as urtigas
embora
soubesse mais a respeito dos ápices sonoros
numa longa suíte de sinos
em que sempre parece tarde
para não te ver pelo espelho,
nata.
é sobre ser invisível demais.

Tatiana Pequeno; in "Revista Pequena Morte" nº 22.

http://pequenamorte.com/

Manaíra Aires


28 de Maio 00:41


As cortinas são de vento polido e ele já vai desperto dos ruídos mansos. Artifícios
condensados no que faz parte da transitoriedade de teus móbiles, a chuva
despenca pelo abrigo e os cômodos caem pela retina. O comodismo da espera
afundada no sofá, da esperança travada como o gosto adstringente de quem
espera, a áspera língua dos teus tumultos pela compressa. A febre presa nos
lençóis perturbados, o meu bado no teu dilema. De ti ficaram os poemas, a chuva e
as inundações.
A chuva está a invadir o telhado e as flores na esquina não se esquivam dos pingos
que doem na suavidade. Dorme a menina desalinhada, aquela linha etérea na
materialidade do toque escorregadio. Escorrega a chuva nos dedos da distância,
escorrega a minha esperança de olhar o teu desespero a criar mãos. Pela linha
ébria o desvario pegado no último suspiro sôfrego. Lágrima pelo frêmito da chuva
que cala na lacuna de um domingo tardio.
Um mês pelas mãos desaguando. Uma sombra para o relógio que não me pontua.
Pontuação curta defesa defesinha, eu sempre sei tudo. Mudo de gotas de sono de
interstício de sobreposição. Sobre o limite o vidrinho, um mês pela quebra irreal da
vitrine e dos clichês. Faltam os dias orgânicos de corpos inanimados, falta ânimo na
ausência, sobra latência no que concreto se quer teu dúctil.

Leslie Mcgrath

O pão

deixei-te um pão embrulhado numa toalha de chá azul,
na tábua de cortar uma noz de doce manteiga e a tua faca favorita, a sua serrilha
gasta até suaves rendilhados. Quero que chegues a casa e a segures perto da bochecha
da maneira como deitaste a cabeça na minha barriga grávida há anos
para sentir o pontapé agitado do nosso filho. Põe a palma da tua mão no círculo húmido
que o pão deixa na tábua, lembrando-te da húmida noite de verão
em que levantaste os caracóis de cabelo do meu pescoço, inclinando a minha cara na direcção da lua.
Corta uma fatia mais grossa do que a que eu cortaria para ti e arrasta-a pela manteiga.
Saboreia o fermento, as groselhas, o coalho. Saboreia o sal das minhas mãos

Leslie Mcgrath: "A Sul de Nenhum Norte" número 3.

Jenna Cardinale

O marinheiro regressa

Quem consegue ler a sina
no fumo de cigarros espanhóis -
Forçado à porta
do bar, convidando
toda a gente a entrar -
Não ancoraste neste porto -
Não de barco, pelo menos.
A licença era necessária -
O dever de dançar,
amor, e toda esta linguagem.
Sortudo - Os bêbados estão ansiosos
por te dar as boas vindas a casa.

Jenna Cardinale, in "A Sul de nenhum norte", número 3.

A revista pode ser descarregada aqui:http://www.megaupload.com/?d=XSMYI3ZB

Joana Jacinto

Ordinal

I

Espera um segundo,
Se eu te disser
‘Espera um segundo’
Confiarão os teus dias naquilo que os olhos ouvem?
Espera um segundo.
Abre mão
das palmas dos olhos,
das palmas das mãos,
das palmas dos braços,
da palma do regaço,
das palmas dos pés
Nelas: todos os corações.

II

Espera um segundo,
Divide cada momento em seis.
Contempla o arco
o sol
Deixa cada momento morrer
na palma da tua mão.
As mulheres amam sempre.
Espera um segundo,
Estende a língua ao silêncio.
Sabe-o. Sobe
sobre o degrau último do tempo
Ouve-a, que paira.
As mulheres têm vários corações.
Espera um segundo,
Extrai os dias
da rocha
o tempo
Coloca-os sobre uma placa de madeira.
Destila o sal
do conta-momentos
momento-a-momento
a-tempadamente
fende:
Sagra dos dias a forma intacta.
As mulheres amam sempre.
Guarda o tempo,
momento-a-momento
recolhe-os para o verão.

III

Espera um segundo,
Des-conhece.
Des-arruma, des-compara, des-ordena
o cheio
chão das coisas.
Des-sê.
As mulheres têm vários corações.
Um no círculo dos olhos
chama-se relâmpago,
espelho.
Um no círculo das mãos
chama-se pele,
esquisso.
Um no círculo dos braços
chama-se tear,
edifício.
Um no círculo do regaço
chama-se pomo,
pérola.
Um no círculo dos pés
chama-se casa,
eternidade.
Espera um segundo,
Como se tivesses seis anos

e um sorriso de gengivas
o aguardasse debaixo da almofada pela manhã.


Joana Jacinto: "Cràse" número 1. 2010.

Catarina Nunes de Almeida

1.

Hoje faço questão de te deixar
uma nuvem branca sobre o olho esquerdo.
Sobre o olho esquerdo que é olho próprio
para cardíacos. Hoje mesmo
já que existe este mover de espumas
em tudo o que é cave no meu seio
na procissão que sai do adro
do cinema. Hoje mesmo
já que tenho o teu cabelo tombado
no meu rosto resolvendo-me
os caminhos. Cabelo igual
ao cabelo dos astros
do cinema.

2.

É parecido com os comboios
este Outono este corpo com vista.
Estamos sempre tão sós quando tomamos
a estação aos pombos aos pinheiros bravos.
Os dois tão sós aos encontrões
picando bilhetes com caruma
com carícias obrigando as gentes a esta
multidão de dois. Sempre à espera
sempre à espera que na manhã seguinte
o maquinista não se levante da cama
sempre à espera que a medicina nos conceda
mais um grande passo para a cegueira –
que nunca cure a nuvem branca que hoje te deixo
sobre o olho esquerdo.

3.

Colhe de um corpo
o carvão verde
a sua música cereal moída moída.
Abre um corpo na partitura canta-o
enquanto se parte enquanto ficam
anos por contar enquanto ficam
anjos nas pálpebras
inconfessáveis.
Como se a manhã falhasse sempre.
Como se escolhesses o comboio que pára
em todas as estações
e valesse a pena gastar outra infância
para não chegar.


Catarina Nunes de Almeida; in Revista "Cràse" número 1. 2010.

Miguel-Manso

Em Évora, um terraço


quando o nível das águas subir

(não se sabe ainda quantos metros)

e se apagarem certos lugares: a sombra

do limoeiro da infância


a praia onde todo o Verão cabia


e terminar submerso tudo o que foi raso e sacro

então que pelo menos permaneça intacto

aquele terraço em Évora


Miguel Manso - retirado de:
http://asfolhasardem.wordpress.com/

Sara F. Costa

Contemplação


sento-me na margem da tua infância
e recupero o gosto pelo esquecimento.
as minhas mãos traçam o momento
em que o teu corpo aberto colide com o mar.
imagino o oceano em que te deitas
e a forma como
a tua boca de areia se alarga
até à Praia da Vieira.
imagino os rascunhos de memória
que as horas vão largando
ao longo do caminho.
sinto-te um prolongamento do meu pensamento,
pensamento de água
volátil como a noite que te abriga,
fragmentário como o cheiro do teu nome de flor.

a luz apagou todos os vestígios da terra que nos escorre dos olhos,
deixou-nos entregues à substância húmida do abandono
aos caminhos modernos das várias formas de embriaguez letal.
embriaguez no centro de todas as coisas visíveis,
queimadas ao longo dos extensos pensamentos matinais.

escrever revela-se tão volátil como esfaquear-te,
se é que me entendes.

vivemos na mesma esfera de fogo que acompanha o balanço dos
[enforcados.
o gelo aproxima-se da boca
enquanto despertamos de todo o cansaço
e contemplamos as insónias enferrujadas
por dentro das imagens.
esquecemo-nos de vigiar a natureza quando a realidade tem problemas
ao nível do hardware.

observa, o ar gera filhos nos poros do tempo magro,
a alienação cria escamas firmes pela pele.

por dentro de todas as palavras abstractas
encontramos água
e o peito da terra respira um medo fragmentado.
os gestos nervosos das ruas anestesiam-nos diariamente.

Sara F. Costa: in "Criatura número 1" - Fevereiro 2008.

Ana Salomé

Ode Rimbaud


eu sou absolutamente moderna, Rimbaud.
sei que nunca pensaste que uma rapariga de Portugal
se tornasse absolutamente moderna.
o caso é que nunca deitei o amor pela janela
mas a janela deitou-se pelo amor dentro.
não toco piano, não falo francês, nem faço fru-fru.
sou absolutamente moderna, Rimbaud.
tenho telemóvel, tenho blog, tenho carro
e até uma paixão que já não é platónica
agora para se ser absolutamente moderno
diz-se virtual, Rimbaud.
perdoa-me
dou-te a minha perna
um prato com bolinhos de canela
para te lembrares do tempo dela.
perdoa-me o sarcasmo, Rimbaud
o fatalismo azedo de rapariga absolutamente moderna
constructo humano, já não ser.
perdoa as minhas pernas a engordar de noite para noite
o fumo da chaminé comum do prédio
a minha imensa falta de árvores
a minha necessidade que devora um poema para o deitar fora.
perdoa-me não ter entendido uma única coisa que disseste
mesmo na tradução do Cesariny que é livre e bela
como uma rosa francesa desgrenhada em solo português.
perdoa-me escrever telegraficamente
ter deixado de respirar para todo o sempre
e continuar a pintar os lábios de vermelho
como se isso fosse possível num deserto sem beijos.
perdoa-me não ter consigo manter a tua palavra
perdoa-me ter falhado e ser erro.
p.s. - se quiseres regressar a terra
como o Cristo da literatura do não
tomas café comigo?


Ana Salomé: "Odes" - Canto Escuro 2008.