sexta-feira, 13 de março de 2015

Olhos que abraçam



Somos um Sol em frente ao espelho
 com o seu olhar sáfico
de quem se despede para voltar com mais força
e posso dizer como Rilke
Vamos te construindo com mãos a tremer
descer esta vila onde o sol
 pousa à entrada das tabernas
e se parece com muitas mãos pequeninas
de crianças que deixam escorrer areia por entre os dedos.

O sopro que vira a página, a possibilidade
cheia de luz da nossa geração.
É um sonho e o sonho tem razão.

Sublinho tudo, ligo todas as pontas
deixo um ou dois castelos desfeitos,
uma bola esquecida na areia,
uno as minhas pontas a esta vida quente
que me  multiplica, ilimita e acelera,
abraço a estrela que tenho à minha frente,
até ficar pastoril, cheio, contente
como um fim de festa de Verão.

Uno as minhas pontas, até então desconexas,
a esta vida quente que me acelera
com um olhar sáfico de quem ri e regressa.
Alto, colossal, criança, olhos de urso,
cabelo de gaivota. Uno as minhas pontas
a este coração,
faço-o rir

como um sol em frente ao espelho.

Sem comentários:

Enviar um comentário